BELO HORIZONTE - Obras para 2014


RECUPERAÇÃO DA LAGOA DA PAMPULHA

 

AS PROMESSAS DA PREFEITURA

Prezado Jean,

 

Incumbiu-me o Sr. Prefeito Márcio Lacerda de informar-lhe as ações em desenvolvimento na bacia do Ribeirão Pampulha, que culminarão com o saneamento da Lagoa.

 

Estas ações podem ser sintetizadas em três etapas concomitantes:

 

1 - Cronograma em execução pela Copasa, PBH e Contagem - meta 2014 - pelo qual estão sendo implantadasas redes de esgoto faltantes, os interceptores, o emissário e elevatórias que, até junho de 2013 retirarão os esgotos da Lagoa.  Conduzidos por emissário estes esgotos serão tratados na ETE/ONÇA, já ampliada para este fim.

 

2 - A Prefeitura  está preparando edital de licitação para a retirada de, aproximadamente, 700.000 toneladas de resíduos, desassoreando a Lagoa e recuperando o espelho d`água;

 

3 - Após o desassoreamento será feita a limpeza e recuperação da qualidade da água da Lagoa. Para definir a tecnologia a ser utilizada, bem com a empresa, a PBH fez um Chamamento Público, cujas propostas estão em fase de análise.

 

Todas estas intervenções deverão estar concluídas até o final de junho de 2013. Somando as inúmeras obras de infra estrutura, ao controle das ocupações urbanas para diminuir o carreamento de terra e ao trabalho de conscientização da população para evitar lixo em lotes vagos, vias e margem de córregos, realizaremos, finalmente, o sonho de ver o nosso cartão postal saneado.

 

Agradecendo pela preocupação e confiança, colocamo-nos ao V. inteiro dispor.

 

Atenciosamente,

 

Osmando Pereira

Secretário Adm. Regional Pampulha

 

 

Audiência Pública

Sobre o item 3 , no dia 11/05/2011 houve audiência pública , promovida pelo vereador Sérgio Fernando (PHS), na Câmara dos Vereadores de Belo Horizonte que pôs em discussão os rumos da Lagoa da Pampulha, um dos principais cartões-postais da capital. Dois temas lideraram o debate: a chamada pública para empresas interessadas em tratar a água da lagoa e a classificação da qualidade da água da Pampulha. A meta proposta é que com a limpeza a lagoa atinja classificação Classe 3. "As águas continuarão impróprias para consumo humano, portanto, qualquer contato com o reservatório deve ser evitado, mas poderemos pescar, praticar esportes náuticos sem tocar na água. A Classe 2 é possível de ser atingida, é uma meta, mas em um segundo momento", assegurou o representante da Secretaria Municipal de Obras, Ricardo de Miranda Aroeira.

Para o vereador Sérgio Fernando (PHS), a questão da Pampulha exige um enfrentamento efetivo e altos investimentos. "Ao longo do tempo, os governantes optaram por soluções paliativas a encarar o problema de frente, porque é mais fácil e prático. Mesmo assim, hoje, contamos com tecnologias e técnicas que permitem resolver de uma vez por todas esse problema e por isso acredito que, em pouco tempo, tendo boa vontade e disposição, vamos recuperar a lagoa", diz.

 

Fontehttp://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2011/05/11/interna_gerais,226950/esportes-nauticos-poderao-ser-praticados-na-lagoa-da-pampulha-depois-de-despoluicao.shtml



Escrito por Jean às 15h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




MODERNIZAÇÃO LINHA FÉRREA BH-SABARÁ

Trilhos de fabricação chinesa, sem similar nacional, começam a chegar neste mês a Minas Gerais dando início às obras de duplicação e modernização da linha férrea que liga o Bairro do Horto, em Belo Horizonte, a General Carneiro, em Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Orçado em R$ 138 milhões, o projeto vai eliminar o maior gargalo no escoamento dos grãos produzidos no Centro-Oeste do país, em São Paulo e Noroeste de Minas, do aço fabricado nas usinas mineiras e da distribuição de combustíveis, produtos que passam diariamente por esse trajeto de 8,3 quilômetros. A região do gargalo é o ponto de interligação de três das maiores ferrovias, a Centro-Atlântica e a Estrada de Ferro Vitória a Minas, controladas pela Vale, e a da MRS Logística, responsáveis pelo transporte de carga até os portos de Vitória, do Rio de Janeiro e do litoral paulista.

 

São 28 trens trafegando por dia entre BH e Sabará a baixa velocidade, de 40 km/h, em consequência das curvas sinuosas e de raios curtos, rampas que restringem o desempenho das composições e do encontro da ferrovia com o asfalto. O trem de passageiros da Estrada de Ferro Vitória a Minas também usa a malha para alcançar a Estação Central de Belo Horizonte. Com o crescimento urbano desordenado da região, a linha férrea foi espremida ao longo do processo de ocupação pelos moradores, que hoje somam 250 mil pessoas em 10 bairros de BH e da cidade histórica.

Durante os próximos 30 meses, o trabalho será o de corrigir todo o traçado, desfazer os cruzamentos entre a linha dos trens e ruas e avenidas – as chamadas passagens de nível – , que serão substituídas por viadutos. A travessia se tornará mais segurança e contará com passarelas. Enquanto confere detalhes do início das obras, o gerente geral da área de logística da Vale, Maurício Maia Cretella, afirma que o projeto já prevê viadutos e outras intervenções urbanas compatíveis com o futuro planejamento da expansão da região, outro ganho importante.

Para execução do projeto, 174 famílias serão realocadas em BH, onde 70% das negociações com os moradores já foram concluídas. Em Sabará, que concentra 5,3 km de linha férrea, 299 famílias terão de ser reassentadas. A discussão fundiária está na etapa inicial. A modernização da linha férrea promete a melhora das condições de mobilidade urbana e segurança nos bairros do Horto, Esplanada, Boa Vista, São Geraldo, Vera Cruz, Alto Vera Cruz, Caetano Furquim e Casa Branca, na capital; e Marzagão, Nações Unidas e General Carneiro, em Sabará.

Em Belo Horizonte, as obras começam pela construção de um viaduto férreo sobre a Avenida Itaituba, no Bairro São Geraldo, e de um viaduto rodoviário ligando a Avenida dos Andradas ao Bairro Caetano Furquim, com o erguimento de passarelas. Responsável pelo projeto na Vale, Luciano Almada de Oliveira informou que haverá frentes de trabalho simultâneas no percurso entre a capital e Sabará. O serviço de transporte na ferrovia não vai parar. Na cidade histórica, será feita a maior obra de arte do projeto, um viaduto ferroviário de 30 metros de altura e 150 metros de extensão.

Os serviços vão empregar 1 mil trabalhadores no pico das obras, previsto para meados de 2012. Cerca de 10% desse quadro são profissionais do corpo técnico, incluindo engenheiros de obras, de segurança e meio ambiente. A Vale está bancando um programa de capacitação para 300 trabalhadores, dos quais metade já concluiu os cursos de pedreiro, carpinteiro e armador. A intenção, segundo Luciano Oliveira, é desenvolver a mão de obra local.

Área necessária ao projeto de duplicação e modernização da linha férrea, o campo do Pompeia Futebol Clube será realocado para as vizinhanças do atual endereço, com a construção de instalações modernas. O novo traçado contempla obras de lazer na Região Leste de BH e em Sabará.



Escrito por Jean às 12h57
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, BELO HORIZONTE, Homem
Histórico
Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
Votação
  Dê uma nota para meu blog